O que quer uma mulher?

O que quer uma mulher?

Postado por mberaldo - terça-feira 23 novembro 2010 19:05
consultório sexologia,sexualidade humana

Na história da humanidade, os homens se fizeram várias perguntas e procuraram, de várias formas, obter as suas respostas. Entre estas, se tornou difícil definir as mulheres e tentar explicar – principalmente a elas – o que elas querem pois,  na maioria das vezes, não há uma única resposta: tudo depende do contexto.
Analisemos o contexto biológico: se comparadas aos homens, a estabilidade emocional deles não é um bem conquistado: é porque eles não sofrem a mesma oscilação hormonal. Assim como os homens, as mulheres querem paz! Portanto, o que queremos  durante a TPM é que os homens evitem fazer aquilo que já nos irrita em tempo normal, pois neste período, tudo o que nos incomoda tem  um impacto  triplicado! ah, queremos também um pouco mais  de carinho…e uma barra de chocolate pode cair bem!
Também no sexo e no amor as mulheres querem o mesmo os homens: uma pessoa que  se sinta satisfeita com o que recebe e que esteja em condições de retribuir com a mesma intensidade. Existem pessoas que sabem receber, usufruir, mas não sabem produzir nem dividir o seu capital erótico e nem amoroso. As mulheres querem  sentir que ocupam um lugar importante na vida de seu companheiro. Mas como muitos homens tendem a  focar em uma coisa de cada vez, quando sentem que  a mulher já foi  conquistada,   passam a focar no trabalho ou na conquista de patrimônio, como  se a vida afetiva funcionasse bem apenas no automático. E se ressentem das reclamações femininas, quando estas reivindicam  equilíbrio entre a vida afetiva, familiar e social!
Outros dizem que não adianta ser bonzinho, que as  mulheres gostam é daqueles que as maltratam! Exceto as mulheres problemáticas, isso não é verdade! O fato é que o que impulsiona o primeiro contato é a química… quando a mulher já está envolvida com outro,  ou quando não surgiu atração sexual suficiente, não adianta se o rapaz é a melhor pessoa do mundo…é uma fatalidade, fazer o quê?
Ao contrário do que pensam muitos homens, creio que somos muito mais pragmáticas do que eles: desde pequenas, somos treinadas para nossos papéis sociais de adultas. Mesmo com as mudanças culturais, vejo a minha filha de seis anos brincar com as bonecas e de casinha, como eu brinquei. Ela sabe o que fazer com um bebê. Ela sabe como funciona uma casa. Agora me diga: Você já viu algum menino brincar de pagar faturinha? Brincar de chegar em casa e perguntar à esposa como foi o seu dia? Brincar de discutir a relação? Brincar de suportar bronca do patrão? Não! A brincadeira do menino o leva para o mundo da fantasia, onde ele é capaz de tudo! Ele é o herói, é poderoso! Ou seja, o menino não tem um treinamento para a vida adulta, ele é jogado em campo, e deve descobrir quais são as regras… jogando! Até que ele descubra como funciona, já terá levado muita “bola nas costas”, mas é assim mesmo que funciona.
Com estas observações, considero não ser produtivo o homem tentar adivinhar  ou definir por si só o que a mulher quer : ele deve perguntar a ela claramente e, principalmente, CONSIDERAR sua resposta. E descobrindo, não deve achar que fazendo exatamente aquilo o tempo todo – ou com todas – irá ser sempre  bem-sucedido. No mundo adulto, ele não tem mais super-poderes, e deve aceitar a frustração de não ter resposta imediata pra tudo. Deve aceitar que O JOGO, sim, é bem mais complexo do que isso, e não as mulheres. Como dizem por aí, “ninguém falou que viver era fácil, mas sim, que vale a pena”!

beijo a todos, até o próximo post ou em qualquer edição extraordinária rsrsrs…