Mitos e verdades sobre higiene feminina

Mitos e verdades sobre higiene feminina

Postado por mberaldo - segunda-feira 17 outubro 2011 18:35
consultório sexologia,sexualidade humana

De nada adianta ter um relacionamento legal com o parceiro, ser descolada na cama se a relação com
o próprio corpo for uma espécie de auto-sabotagem, não é mesmo? mas muitas mulheres que se queixam de incapacidade de orgasmo, desejo ou excitação podem ter adquirido esta disfunção por conta de formas inadequadas de realizarem sua higiene íntima, facilitando a proliferação de fungos, alergias, inflamações e infecções que certamente interferem no ciclo da resposta sexual, causando ardência, prurido ou dor durante a penetração. Assim como em outras áreas da natureza humana, a higiene íntima tem seus mitos. Nas dicas a seguir, é possível conferir tudo que deve ou deve ser feito, desde a troca diária dos absorventes íntimos até a frequência ideal de higienização, sempre de acordo com as precisas dicas de especialistas da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), que criaram o 1º Guia de Conduta sobre Higiene Genital Feminina. Confira:

Faz mal usar sabonete íntimo diariamente.

Mito. Ao contrário. Com pH adequado ao corpo da mulher, os sabonetes íntimos são os mais recomendados para o uso diário, justamente porque não alteram o pH da flora vaginal. Os sabonetes comuns, por sua vez, costumam ser ácidos demais ou de menos para a higiene diária da mulher.

Absorventes perfumados podem dar alergia.

Verdade. O ideal, segundo os médicos, é usar absorventes sem fragrância, pois a ação de substâncias perfumantes pode causar ardor, alergias, coceira, fissuras externas e até mesmo dor na relação sexual.

Em dias de pouco fluxo, posso ficar com o mesmo absorvente o dia todo.

Mito. Mesmo que em pouca quantidade, o sangue menstrual é o ambiente perfeito para a reprodução de bactérias e fungos que podem causar doenças. Por isso, o ideal é a troca de absorvente a cada 4 horas.

Lenços umedecidos para a higiene íntima podem ser usados todos os dias.

Mito. Os lenços umedecidos são vantajosos, mas devem ser usados para situações de emergência. Além disso, sua aplicação deve ser suave, para não remover a camada protetora da pele.

O protetor de calcinha pode ser de uso diário.

Mito. O uso diário do protetor de calcinha pode provocar corrimentos, coceira e infecções, já que torna o local excessivamente quente e úmido, ambiente ideal para a proliferação de fungos.

Usar papel higiênico colorido ou perfumado é ruim.

Verdade. Assim como no caso dos absorventes internos perfumados, o perfume e a tinta do papel higiênico podem agredir a mucosa vaginal e irritá-la. Os sintomas mais comuns são ardência, coceira, dor ao urinar e dor na relação sexual. Por isso, o ideal é optar pelo uso de papel higiênico branco e sem perfume.

Sabonetes íntimos devem ser usados na parte interna da vagina.

Mito. Muitas mulheres cometem esse erro, mas o uso dos sabonetes íntimos (espuma) é apenas para a higiene da parte externa da região íntima e não deve ser utilizado para duchas vaginais (internas) nem para tratar infecções ou inflamações genitais. Se você tem algum problema como esses, o ideal é procurar um médico.

A frequência diária de higienização íntima é variável.

Verdade. De acordo com o clima, a frequência diária da higienização íntima muda sim. O recomendável é que ela seja realizada de uma a três vezes ao dia quando o clima é quente e uma vez ao dia quando o clima é frio.

Deve-se usar sabonete íntimo no período menstrual.

Verdade. O sangue altera o pH da região íntima e as glândulas sudoríparas (de suor) eliminam um odor mais forte nessa fase. Além disso, o uso prolongado de absorventes com película plástica externa é um fator agravante para o surgimento de uma irritação local. O uso do sabonete íntimo nessa fase ajuda a amenizar a situação.

Grávidas podem usar sabonete íntimo.

Verdade. Durante a gestação, o corpo da mulher sofre várias modificações devido à influência dos hormônios produzidos nessa fase. Na região íntima, existe uma maior produção de secreções que podem provocar um incômodo e, às vezes, coceira. O sabonete íntimo ajuda a manter a região limpa, sem agredir a camada protetora natural da pele.

fontes:
missali.site.med.br/fmfiles/index…::/Guia_de_Higiene_Feminina.pdf

http://www.facebook.com/groups/122747057831898/

Cuidados essenciais: como evitar riscos para crianças na internet

Cuidados essenciais: como evitar riscos para crianças na internet

Postado por mberaldo - terça-feira 11 outubro 2011 17:05
sexualidade infantil

Um estudo feito pela empresa de segurança Norton no ano passado já dá uma dimensão do problema: 62% das crianças e jovens que acessaram a internet no mundo tiveram pelo menos uma experiência negativa on-line.

A pesquisa, que ouviu 2.800 jovens de 8 a 17 anos em 14 países, mostra que 41% receberam convites de amizade por parte de desconhecidos em redes sociais, 33% baixaram pragas virtuais, 25% viram imagens de nudez ou violência e 10% foram convidados para encontros no mundo real.

Fica claro que, com o primeiro computador. surgem mais responsabilidades para os pais. Nas mãos da criançada, o equipamento pode ser uma janela para problemas.

Outro levantamento, divulgado ontem pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil, mostra que 21% dos pais ou responsáveis por crianças de entre cinco e nove anos não controlam nem restringem o que elas fazem na rede.

O estudo, feito nas cinco regiões do Brasil, em áreas urbanas e rurais, mostra que 40% orientam os filhos sobre o uso da web, enquanto 15% bloqueiam sites impróprios.

O tema merece bastante atenção. A Norton mostrou que as crianças brasileiras são as que mais passam tempo on-line. Na média, são 18,3 horas por semana, deixando para trás países como Alemanha e EUA.

Muitas são as fontes de perigos. O contato com o conteúdo impróprio, como violência e pornografia, talvez seja a mais conhecida delas. Uma pesquisa da Kaspersky, publicada no ano passado, mostrou que a cada minuto existem 3.000 tentativas de acesso a conteúdo pornográfico por parte de menores.

Já blogs e redes sociais potencializam o contato com estranhos e a publicação de dados pessoais. Em um estudo com 875 jovens brasileiros, a ONG Safernet mostrou que 73% deles compartilharam fotos e 80% revelaram o nome.

CIBERVÍCIO

Outros dois problemas podem ser o ciberbullying e o vício em internet.

Ainda segundo a Safernet, 38% das crianças sofreram ciberbullying. Ou seja, foram alvo de humilhações e ataques na internet promovidos por gente próxima, quase sempre colegas de escola.

Já a dependência em relação à rede é um problema que ataca cerca de 10% dos internautas de todo o mundo, estima Cristiano Nabuco, psicólogo que coordena um grupo do Hospital das Clínicas que trata dependentes da web.

Com a expansão do mercado móvel, mais uma frente de batalha surgiu para os pais: as compras indevidas em lojas de aplicativos.

Em fevereiro deste ano, a FTC, agência que protege os consumidores dos EUA, decidiu investigar a App Store depois de receber reclamações por parte de pais furiosos com compras acidentais.

Para combater tudo isso, não adianta só instalar um antivírus no computador. É necessário conversar e ouvir a criança, botar a mão na massa e navegar com ela.

Fonte:Folha Online

http://diganaoaerotizacaoinfantil.wordpress.com/2011/10/09/cuidados-essenciais-como-evitar-riscos-para-criancas-na-internet/