Sexo e humor

Sexo e humor

Postado por mberaldo - sexta-feira 2 setembro 2011 20:25
erotismo,sexualidade humana

Entrevista concedida à revista   Vida Natural,  Editora Escala, Ed. Setembro/2011

Vida Natural – “Fazer sexo influencia no humor? Porque ou de que forma?”

Maria Lúcia -”Sim, por motivos orgânicos e psicoafetivos. O ponto de vista orgânico, o ato sexual libera endorfinas que causam a sensação de bem-estar e relaxantes, além de exercitar músculos (braços, pernas, abdômen) e órgãos (coração e pulmão, por exemplo). Do ponto de vista psicoafetivo, um ato sexual satisfatório aumenta nossa autoestima e nossa autoconfiança, quando percebemos que somos desejáveis e capazes de causar prazer. Se for com alguém que desejamos e admiramos, então, nem se fala!”

Vida Natural  “- A pessoa que não faz sexo pode ter um humor mais instável ou ruim?

ML “-Depende do papel que o sexo tem para vida da pessoa.  Um religioso que sublima sua sexualidade não terá mal-humor, nem aquela pessoa que tem um desejo sexual muito baixo. Mas com certeza aquela pessoa que gosta de sexo, possui um parceiro ou parceira, mas tem uma vida sexual insatisfatória por conta do pouco interesse do outro, ou até de uma disfunção sexual, com certeza seu humor estará alterado. Isso porque a frustração sexual, como qualquer outro tipo de frustração, gera raiva. Assim, mesmo que a pessoa entenda que o outro não faz de propósito (como no caso de disfunções sexuais como a falta de desejo, na mulher, ou ejaculação precoce ou disfunção erétil, no homem), o/a parceiro/a ficará frustrado e essa raiva pode aparecer deslocada até em um copo que fica sujo em cima da pia. Além disso, essa raiva fará com que a pessoa fique mais sensível a tudo que já a irrita normalmente.  Daí para o mal-humor crônico é um passo.”

Vida Natural  “- Fazer sexo de manhã tem mais benefício? Por quê?”

ML “- Depende de cada um. Mas podemos considerar que é favorável, já que o principal hormônio do desejo sexual, a testosterona, é sintetizado á noite. Assim – em tese – podemos ter um desejo maior pela manhã. Mas a cultura  também influencia muito. Assim, somos condicionados a partir “pro crime” á noite, na vida de solteiros… e muitos levam isso pra vida de casados. Mas nem sempre funciona. O acúmulo de responsabilidades acaba fazendo com que, mesmo gostando de sexo e do parceiro, muitos casais façam menos sexo do que gostariam, porque chegam em casa cansados, preocupados, na maioria das vezes tem filhos para cuidar antes de se deitarem… Por isso, o sexo pela manhã é bom, já que a pessoa começa o dia bem, satisfeito consigo, e tudo o que ocorrer ao longo do dia já será lucro rs….”

Vida Natural  “- Existe uma freqüência para o sexo trazer bom humor?”

ML “-È mais um aspecto que depende de cada um.  Um sexo satisfatório com freqüência razoável para os dois deixará ambos satisfeitos e relaxados, o que redunda em um bom humor.”

Vida Natural – ” Que outras sensações ou comportamentos ou sexo proporciona? Por exemplo, disposição, energia, alegria etc.?”

ML -”Sim, dá mais disposição pelo que já comentei: é atividade física, dá mais vitalidade. Como trabalha a autoconfiança e auto-estima, nos deixa mais relaxados, também. Além disso, o sexo  não é a única forma , mas é a expressão mais direta do erotismo, que é a capacidade da pessoa se relacionar com o prazer sem receios. Por isso, as pessoas satisfeitas sexualmente possuem um brilho natural.”

Aonde você ancora sua felicidade?

Aonde você ancora sua felicidade?

Postado por mberaldo - terça-feira 24 maio 2011 21:08
erotismo

Aonde você ancora sua felicidade?

Poucos dias atrás, comemoramos o dia das mães. Pela manhã, ganhei do meu marido e minha filhinha um presente que eu queria, uma bela caneta para me inspirar em minhas crônicas. Depois, fomos a uma churrascaria, já que eu estava disposta a alimentar o meu lado “Ogra” com uma picanha suculenta. Voltando pra casa, de tardinha, decidi: vou ao cinema! Um banho rápido, e eu já estava a postos – sozinha, sem ter que me preocupar se meu marido e minha filha estavam gostando tanto quanto eu – assistindo a um marvel clássico da minha infância; “Thor” (ele foi um dos meus primeiros amores rs…)!
Em um momento mais excitante do filme, ao me aconchegar na poltrona, foi que me dei conta de que no meu dia-a-dia, cuidando de casa, da clínica, da minha família e tudo mais, é incomum eu fazer, desde o início do dia, exatamente as coisas que eu gosto, no momento que eu quero, e do jeito que eu gosto. A constatação de que o meu dia estava sendo perfeito me fez perceber que eu estava intensamente feliz!
Se pararmos pra pensar bem, notaremos o quanto as pessoas buscam a felicidade, e pensam que serão felizes quando solucionarem determinado problema ou conseguirem sucesso em determinada empreitada. Muitos não percebem que ser feliz pode ser muito mais fácil do que a solução de determinados problemas. Mas, para alguns, ser feliz já é um grande problema!!! Claro, não estou pregando a alienação, mas muitas vezes, a despeito dos problemas normais que a vida nos impõe, alguns cultivam a culpa; outros, ressentimentos; outros,mais ansiosos, sofrem de expectativas…sem perceber que podemos ser bem mais independente de determinados problemas do que pensamos. Muitas pessoas carregam pesos extras que dificultam-lhes e muito – a seguirem o caminho, e impedem que o prazer desencadeado por coisas simples e frequentes se tornem o bálsamo necessário para que consigamos encontrar uma saída razoável para transpor as barreiras dos problemas que surgem.
Este pouco traquejo para o prazer do aqui-agora exacerba o papel do sexo na vida das pessoas. Afinal, ele é capaz de nos conectar conosco mesmos, a partir de nossas percepções físicas, tornando o nosso momento mais intenso. Contudo, na incapacidade de nos conectarmos com o presente, mesmo no ato sexual, surgem os manuais para o aumento do desempenho sexual, como se prazer dependesse somente de técnicas e posições mirabolantes. Não, isso se refere ao uso do tempo e da consciência. Todos reclamam da falta de tempo, da percepção de que ele passa cada vez mais rápido. Isso é natural, já que somos obrigados a assumir cada vez mais obrigações. Mas quando fazemos algo de que não gostamos, ou que somos obrigados, fazemos concentrados, justamente para não ter que fazer de novo, ou concentrados no sentimento de desagrado. Por outro lado, quando fazemos o que queremos e o que gostamos, tendemos a nos desconectar dali, pra pensarmos em problemas. È quando, diante de um prato cheio de algo que adoramos, assistimos televisão, com conteúdos que não tem nada a ver, ou tecemos conversas idem. Tendemos a não perceber o som agradável dos risos, contatos, cheiros… O orgasmo é uma forma de êxtase, mas ele não é a única. Além disso, somos no sexo a mesma pessoa que somos diante da vida. Um sexo automático, mesmo que finalizado com orgasmo, é bem menos do que um sexo de presença intensa, e qualquer situação prazerosa trará muito mais prazer quando estamos conscientes deste prazer. E a abertura deste canal de percepção redundará em experiências sexuais cada vez melhores!
Quando eu estava me preparando para o vestibular em psicologia, falava-se uma frase que era a seguinte: “enquanto você está namorando, tem um japonês estudando” rs… Agora, a frase que lhes deixo é: enquanto você está se preocupando, há pessoas ocupadas namorando – a vida.
Se o problema TEM solução, não precisa se pré-ocupar: ele tem solução. (Mas não adie a sua ação).
Se o problema NÃO TEM solução, NÃO ADIANTA você se preocupar…

Mulheres, máquinas de prazer!

Mulheres, máquinas de prazer!

Postado por mberaldo - quinta-feira 7 abril 2011 23:14
consultório sexologia,erotismo,orgasmo

Nas constantes comparações que ouço sobre a sexualidade feminina e masculina, muitos falam que a nossa resposta sexual é inferior á deles porque eles chegam ao orgasmo muito mais rapidamente que a gente.  Este é um pensamento que fornece justificativas para várias atitudes que contribuem para manter uma resposta sexual feminina insatisfatória (entenda aqui “lenta ou incompetente para o orgasmo”).

Acompanhe comigo: O pênis é o órgão sexual masculino de maior sensibilidade durante a penetração. O paralelo a ele, na mulher, é o clitóris, cuja função é exclusivamente  o prazer feminino. Contudo, em uma penetração vaginal, o pênis é estimulado diretamente, enquanto o órgão da mulher é apenas indiretamente estimulado. Agora, imagine se fosse diferente: imagine se, no ato sexual, o homem tivesse que esfregar seus testículos no clitóris feminino, e o pênis masculino só fosse estimulado indiretamente no contato com a barriga e região pubiana feminina… imagine como as mulheres chegariam rápido ao orgasmo e, com um largo sorriso, perguntariam satisfeitas aos seus parceiros:

-“Foi bom pra você?”.

Muitos, com certeza, diriam que não foi desta vez, outros fingiriam… Contudo, esta situação não nos coloca em condições de inferioridade: Para que o orgasmo feminino ocorra com a mesma fluidez que o masculino, é importante que a mulher estimule seu clitóris durante a penetração e saiba orientar seu parceiro a tocá-la da forma  eficiente. Uma boa estimulação no clitóris enquanto ocorre a penetração desencadeia o orgasmo e o intensifica. E isso não é tudo: ainda temos a vantagem de podermos chegar ao orgasmo várias vezes durante um encontro sexual e de várias formas, afinal, não apostamos tudo em um só local. Por isso a importância das preliminares! Nossa sensibilidade física e emocional nos torna capazes de sermos uma máquina de sentir prazer! E este é o motivo da histórica repressão sexual feminina. Portanto, não precisamos de pena, apenas de espaço na cama. E que principalmente que nós, mulheres, nos permitamos ocupar este espaço.

Afinal, qual é a hora certa de transar?

Afinal, qual é a hora certa de transar?

Postado por mberaldo - segunda-feira 31 janeiro 2011 22:46
erotismo,sexualidade humana

Em sua opinião, qual é o momento certo de ir para a cama em um novo relacionamento? Por mais que se diga que não há regras, todos sabemos que a nossa cultura  ainda é machista . Assim, a idéia geral é que eles devem chegar à cama o mais rápido possível para provarem que são viris, enquanto elas devem prorrogar ao máximo, a fim de provarem que são “moças sérias”. Ou seja, a confusão está armada, já que essa matemática não funciona!

A nossa tendência cartesiana  de colocar ordem e compartimentar tudo não funciona quando se trata de sexualidade e afetividade! Afinal, sentimentos diferentes podem, sim, ocupar o mesmo lugar no espaço. E isso vale para o medo e o desejo. Por isso, o mais importante neste momento é o autoconhecimento. Afinal, quanto mais a pessoa se nortear por regras externas, mais distante ficará de si, tendendo a extremos, como sair transando a torto e a direito, ou acabarem fixadas em fórmulas do tipo: só transo depois de tantos encontros ou de um compromisso assumido.

Com esta situação, ambos perdem: o rapaz, ansioso pelo sexo, quando acaba por  conseguir chegar aos “finalmentes”, muitas vezes ficam decepcionados, pois a moça  não rende na cama como renderia  se estivesse fazendo conscientemente o que quer:  é muito comum rapazes perderem a ereção porque tudo passa a ser  focado na penetração, e não há muitos recursos para promover a excitação. Isto acontece na maioria das vezes quando a mulher acaba cedendo ao sexo, mas tenta controlar a intimidade dele: é quando, já nus no motel, diz: “sexo oral não faço, tem que ter intimidade”… “tal coisa não faço, tenho que conhecer muito a pessoa”… ou seja: pra fazer sexo com uma pessoa, deve-se conhecê-la, independente de que  seja só penetração  ou todo o resto!!! Se é pra fazer, que seja pra fazer bonito, os dois se curtindo! E nada melhor do que deixar a intimidade ir crescendo em seu ritmo natural… às  vezes me  pergunto  aonde esconderam o famoso “sarrinho” do meu tempo! Caramba, como era bom!!! A gente conseguia segurar a excitação sem ter que transar, porque as brincadeiras eram muito boas, e dava pra chegar até o orgasmo sem riscos!

De qualquer modo, é importante saber  que  a hora certa é aquela em que você não tem dúvidas, e que seu corpo, seu coração e sua mente estão entregues ao desejo e àquela impagável sensação de estar muito à vontade ao lado do outro. Agora, se você  quiser saber qual a garantia de que ele vai ligar no dia seguinte ou de que vai querer te assumir,  infelizmente,  quando o tema é amor e sexo, não existem garantias. Até mesmo  porque sexo não é moeda afetiva. A única certeza que você pode assegurar-se é a de que seguiu seu coração, respeitou seus limites e desejos, agiu de acordo com seus valores e foi você mesma, sem ficar tentando parecer isso ou aquilo, e sim, foi  quem você realmente é!

Strip-tease: a arte da sedução!

Strip-tease: a arte da sedução!

Postado por mberaldo - segunda-feira 6 dezembro 2010 21:36
desejo sexual,erotismo

Considerando o sexo o parque de diversão dos adultos,  as fantasias são, com certeza, o cartão “ouro” ,  aquele  que permite acesso a vários “brinquedos” , aumentando assim o seu potencial de diversão e prazer. Entre estas fantasias, o strip-tease ocupa um lugar de destaque.  Este termo vem do inglês, que significa “provocação ao se despir.” Em geral, é acompanhado de música, e a pessoa dança enquanto brinca com a fantasia dos assistentes: as peças são tiradas  lentamente enquanto que assite está  ansioso para ver tudo.  Um dos pontos que reafirma a posição do strip-tease como alimento à fantasia sexual está relacionado ao uso de roupas específicas: no caso das mulheres, strippers (que tiram toda a roupa) ou Showgirl (se despem parcialmente), frequentemente se vestem de colegiais, médicas, professoras, enfermeiras, noivas, secretárias e prostitutas.

Homens também fazem Strip-tease, claro.  Seja para outros homens ou para as mulheres, as fantasias mais comuns referem-se a policiais, bombeiros, mecânicos, oficiais, entre outros. O que eu considero bem interessante é que as fantasias masculinas e femininas direcionam-se exatamente para o mesmo aspecto: o jogo de poder e o proibido! É onde o homem fica louco imaginando a noiva de outro  despindo-se pra ele, e a mulher fica louca vendo um representante da lei rompendo seus princípios, louco para ser desejado por ela.

Até algum tempo atrás, os shows de strip-tease eram um ambiente direcionado ao público masculino. Na década de 90, com o “Clube das Mulheres”, cenário de um personagem de novela global, este tipo de Show se tornou o hit do momento, inclusive com shows itinerantes.  Hoje em dia, encontramos ainda casas com shows exclusivo para mulheres, embora em pouca evidência.

Por outro lado vivemos, com a liberdade sexual, o que chamamos de “monogamia quente”. Nesse novo padrão, não é mais tão estanque o papel de mulher da rua e o da mulher de casa. Há esposas que preenchem – e bem – o papel de amante, exercitando o fetiche e as fantasias. Neste ponto, vemos o sucesso de várias strippers profissionais que dão cursos de strip-tease para mulheres que querem encantar seus parceiros e aumentar seu potencial erótico.

Isso é um grande ganho feminino, já que ao dançar, ou simplesmente tirar provocantemente a roupa, a mulher está em contato com aquilo que lhe confere um aspecto diferencial diante do homem, do mundo e de si própria: sua autoconfiança e feminilidade!

Sexualidade dos pais, sexualidade dos filhos

Sexualidade dos pais, sexualidade dos filhos

Postado por mberaldo - quinta-feira 12 agosto 2010 19:43
consultório sexologia,erotismo,sexualidade e família

Para as gerações anteriores à nossa, demonstrações amor conjugal diante dos filhos eram tidas com algo inadequado. Os pais relegavam toda forma de carinho – se existiam – ao quarto do casal. Muitos casais justificavam esta atitude como um cuidado para não despertar a sexualidade de seus filhos. Curiosamente, muitos já devem ter presenciado discussões graves de seus pais, e em casos mais complexos, até agressões verbais, quando não físicas! Não é estranho que o cuidado muitas vezes tomado em relação ao erotismo não é tido com a mesma veemência em relação à expressão da raiva e da violência entre o casal? por outro lado, os casais evitam demonstrar qualquer obtenção de prazer ao contato entre si, mas as crianças  assistem a beijos insólitos e a cenas beirando ao sexo explícito na televisão.

Na minha opinião, os pais devem permitir que seus filhos presenciem um abraço gostoso, um beijo na boca, um namoro light.  Os filhos se incomodam porque é incomum! Intimamente, até hoje tem gente que prefere achar que mãe não transa!

Observa-se que há uma liberdade muito grande do  erotismo na mídia, colocando-o como garoto-propaganda. Mas ele  só existe claramente quando é impessoal ou é do outro.  na maioria das vezes,  o papel da sexualidade na familia  é substimado,   tratado como um segredo do qual só se é falado abertamente quando não dá mais para esconder.

Uma conseqüência direta da inexpressividade erótica dos pais diante dos filhos é a instituição de que namorar é  uma prática exclusiva da fase do namoro e , por internalizarem a figura parental  “castrada” eroticamente,  acabam tendo este mesmo desempenho em suas vidas conjugais. A consequência disso é que,  com o tempo, sentem saudades deste tipo de contato e  intuem que para reviver o enamoramento teriam que se apaixonar novamente – por outras pessoas! E mesmo não querendo desfazer de suas famílias, se tornam emocionalmente disponíveis  sem o perceber!

Certamente, não dá para mudar o passado. Mas ao sairmos do convencional e assumirmos as rédeas de nosso erotismo, colocando-o onde ele é viável e produtivo, nos tornamos capazes de reinventar nossas relações afetivas já construídas. Além disso, nos qualificamos a contribuir na construção do estilo amoroso dos novos amantes – os nossos filhos.

Oi amigos! Sexologiajf agora tem o seu twitter OFICIAL!!! twitter.com/sexologiajf_mg

Oi amigos! Sexologiajf agora tem o seu twitter OFICIAL!!! twitter.com/sexologiajf_mg

Postado por mberaldo - terça-feira 13 julho 2010 19:32
consultório sexologia,erotismo,fantasias femininas,fantasias masculinas,sexualidade humana

supermulher

É isso mesmo!!! me rendi!

vejamos: blog, site, o programa na rádio, os cursos do Sexologiajf Centro de Estudos, a Clínica ufa! vou ter que comprar mais um relógio!!rsrs… mas é assim que sou feliz, fazer o quê, né? como dizem os amigos, 24 horas pensando ou falando “daquilo”…tem que ter um  twitter pra ajudar a extravasar!!rsrsrs…

então, sigam-me!! participem, deixando suas impressões sobre o Sexcidade, sugestões, criticas e etc…

ah, e como dizem no teatro, se gostarem, indiquem aos amigos…se não gostarem, indiquem aos inimigos! só não podemos ficar parados!!! s’imbora!!

Um graaaaaaaaaaande abraço,

Lúcia Beraldo

Quem você acha que pensa mais em sexo: o homem ou a mulher?

Quem você acha que pensa mais em sexo: o homem ou a mulher?

Postado por mberaldo - quarta-feira 7 julho 2010 21:57
erotismo,sedução,sexualidade humana

Quem você acha que pensa mais em sexo: o homem ou a mulher? Se você disse o homem, acertou! Pesquisas apontam que o homem costuma pensar em sexo três vezes mais do que a mulher, e boa parte deles declaram que logo ao acordar, já pensam “naquilo” rsrs. É que a quantidade de testosterona, hormônio do desejo sexual, é maior pela manhã. Mas isso também acontece no organismo da mulher. A diferença é que para o homem, masturbar-se ou ter relações sexuais pode ser algo tão simples como ir buscar pão. Já a mulher precisa de uma motivação. Só que  bem motivadas, temos vários orgasmos  na mesma relação, e vocês não!!! rsrsrsr…  A capacidade feminina para maior quantidade de orgasmo supera a do homem, primeiramente, por questões fisiológicas: é que eles, após a ejaculação, tem o que chamamos de período refratário,  onde não conseguem ter uma nova ereção. Este período se torna maior com a idade, variando de poucos minutos a horas ou dias. A boa notícia é que, com os potencializadores de ereção ( levitra, cialis, etc…) isso pode ser resolvido! De qualquer modo, há ainda um outro fator que facilita o orgasmo feminino: è que, por interagir  mais com o seu corpo, ela aumenta a sua sensibilidade, sendo capaz de tirar prazer a partir de vários estímulos. Os homens também podem usufruir de seus corpos, mas pela cultura fálica, acabam apostando tudo no  ” vermelho 28″… Isto não é um bom negócio, pois se ele falha, ganha a banca….
Grande abraço, até breve!!! :)

Namoro Virtual

Namoro Virtual

namoro virtual

Com tanta tecnologia disponível para aproximar as pessoas, o namoro virtual é uma diversão válida, exceto quando ele se torna a única forma de contato para trocas afetivas com as outras pessoas. Geralmente, por trás do computador, qualquer pessoa ansiosa, tímida ou insegura ao extremo pode se sentir mais segura e autoconfiante, e acabar escolhendo o mundo virtual como o seu melhor cenário de conquista. Afinal, no mundo virtual, você pode ser quem você quiser, do jeito que  quiser. Mas é importante observar que neste caso, você estará criando uma imagem que  se adequa ao outro e a você, mas perderá  também  a oportunidade de aprender, com os erros e acertos, a relacionar-se e se tornar uma pessoa realmente interessante… Afinal, o bom capitão se faz em águas bravias, e não em calmaria. São as frustrações e sofrimentos que nos fazem fortes.

Além disso, é importante observar se a  relação virtual é viável: namorar à distância sempre dá problemas e, como na vida real, começa muito bem, mas aos poucos começam as cobranças, os ciúmes, a reclamação de que “você não era assim…”.

Cabe pensar que apesar do sofrimento fazer parte da vida,  é muito importante  ser capaz de escolher aonde você vai investir seu maior patrimônio: seus sentimentos.

Diminuição da frequência Sexual…porquê?

Diminuição da frequência Sexual…porquê?

Postado por mberaldo - terça-feira 4 maio 2010 21:06
consultório sexologia,erotismo,Sem categoria,sexualidade humana

falta de desejo sexual

Diminuição da Frequência Sexual…por quê  acontece?

È natural que  a freqüência sexual sofra uma queda de acordo com o acúmulo de novas responsabilidades. Uma das atividades que interferem muito na frequência sexual  são as acadêmicas! Outro dia eu ouvi de um colega que não existe contraceptivo melhor do que mestrado ou doutorado: a pessoa se torna obsessiva com o  tema da pesquisa, e o sexo se torna eventual… Muitos têm que apressar   a entrega da tese para salvar o casamento!

Além disso, lembremos de que o sexo é atividade física (equivale à subida de quatro lances de escada!). Então, se a pessoa está cansada, ou debilitada fisicamente, é natural que diminua o desejo sexual.  Preocupações com problemas familiares e financeiros também podem diminuir a vontade de fazer sexo, afinal, ele  é uma diversão, uma distração, e nem sempre  estamos para brincadeira quando estamos tristes e  preocupados, não é mesmo?

Então, quando sabemos que a situação é temporária,  o ideal é ajudar o parceiro a solucionar a questão, quando possível. Em alguns casos, quando a frequência sexual está muito abaixo do desejado por uma das partes, o ideal é que isso seja dito abertamente. Mas crie um momento adequado para a conversa, evitando tocar no assunto  em momentos de discussão. Com esse cuidado,  você estará evitando que a cobrança fora de hora ou sentimentos de rejeição sexual  se tornem  um novo problema a ser resolvido.

Próxima Página »