Mulheres, máquinas de prazer!

Mulheres, máquinas de prazer!

Postado por mberaldo - quinta-feira 7 abril 2011 23:14
consultório sexologia,erotismo,orgasmo

Nas constantes comparações que ouço sobre a sexualidade feminina e masculina, muitos falam que a nossa resposta sexual é inferior á deles porque eles chegam ao orgasmo muito mais rapidamente que a gente.  Este é um pensamento que fornece justificativas para várias atitudes que contribuem para manter uma resposta sexual feminina insatisfatória (entenda aqui “lenta ou incompetente para o orgasmo”).

Acompanhe comigo: O pênis é o órgão sexual masculino de maior sensibilidade durante a penetração. O paralelo a ele, na mulher, é o clitóris, cuja função é exclusivamente  o prazer feminino. Contudo, em uma penetração vaginal, o pênis é estimulado diretamente, enquanto o órgão da mulher é apenas indiretamente estimulado. Agora, imagine se fosse diferente: imagine se, no ato sexual, o homem tivesse que esfregar seus testículos no clitóris feminino, e o pênis masculino só fosse estimulado indiretamente no contato com a barriga e região pubiana feminina… imagine como as mulheres chegariam rápido ao orgasmo e, com um largo sorriso, perguntariam satisfeitas aos seus parceiros:

-“Foi bom pra você?”.

Muitos, com certeza, diriam que não foi desta vez, outros fingiriam… Contudo, esta situação não nos coloca em condições de inferioridade: Para que o orgasmo feminino ocorra com a mesma fluidez que o masculino, é importante que a mulher estimule seu clitóris durante a penetração e saiba orientar seu parceiro a tocá-la da forma  eficiente. Uma boa estimulação no clitóris enquanto ocorre a penetração desencadeia o orgasmo e o intensifica. E isso não é tudo: ainda temos a vantagem de podermos chegar ao orgasmo várias vezes durante um encontro sexual e de várias formas, afinal, não apostamos tudo em um só local. Por isso a importância das preliminares! Nossa sensibilidade física e emocional nos torna capazes de sermos uma máquina de sentir prazer! E este é o motivo da histórica repressão sexual feminina. Portanto, não precisamos de pena, apenas de espaço na cama. E que principalmente que nós, mulheres, nos permitamos ocupar este espaço.

Sexo anal

Sexo anal

Postado por mberaldo - sexta-feira 14 maio 2010 22:40
fantasias femininas,fantasias masculinas,orgasmo,sexualidade humana

sexo anal

O sexo anal é uma das principais fantasias de boa parte dos homens, devido  à contração do ânus sobre o pênis e ao apelo visual. E atualmente, as  mulheres estão mais abertas a experimentar novas possibilidades. Se este é o seu caso, mas você tem algumas dúvidas, ou quer argumentos  para convencer para sua   parceira,  Segue abaixo algumas dicas e respostas para as perguntas mais freqüentes relacionadas a essa variação:

Para que a penetração anal ocorra sem problemas, a mulher deve estar interessada e bastante excitada,  ao ponto de conseguir relaxar durante a penetração. Isto é muito importante,   pois quando ocorre uma penetração com os músculos dos esfíncteres contraídos, pode ocorrer uma lesão  com rompimento  de fibras musculares, gerando dor e sangramento. Desse modo, o interessante é que a primeira penetração ocorra sem pressa.

Para um relaxamento melhor no ato sexual,  um treinamento prévio ajuda muito:   pode ser começado no banho,  com a mulher introduzindo o  próprio dedo. Com o tempo, os músculos responderão à sua vontade, simplesmente conforme ela for prestando mais atenção à região anal.

Depois que ela  já estiver conseguindo se concentrar e relaxar a musculatura anal, durante as preliminares  o  parceiro já pode  colocar metade do dedo, enquanto  estimula  o clitóris. Na transa de outro dia,  coloca  o dedo inteiro. Depois, pode partir para dois dedos pela metade e então os dois inteiros.  Depois de alguns dias,  deve iniciar o movimento tira-põe, mas só com a glande.  Em outro dia penetra totalmente, sem movimentar. Só depois é que começa realmente  o movimento completo, mas sempre estimulando o clitóris e cuidando para que seja bom para ela – afinal, a idéia é a de que seja bom para os dois.

Durante todos estes treinamentos, a mulher poderá pode usar um gel, à base de água, como o KY. Mas quando for partir para a penetração em si, usem sempre o preservativo: a mucosa do ânus é muito sensível e absorve bactérias, infecções e vírus com mais facilidade que a da vagina. Aliás, nunca, jamais, em tempo algum penetre no ânus e depois na vagina, ou na boca, pois o contato com fezes, mesmo invisíveis, pode gerar infecções graves.
Sendo o orgasmo uma sensação que depende muito da subjetividade, algumas mulheres, mesmo não chegando a ele através do sexo anal, sentem-se gratificadas. Outras “chegam lá” enquanto são estimuladas em seu clitóris. E outras relatam conseguirem ter orgasmo apenas com a penetração. E isto é perfeitamente possível, já que o principal órgão sexual está acima do pescoço:  é a nossa mente, é a nossa capacidade erótica.
A melhor posição sexual para a prática do sexo anal é aquela em que os parceiros ficam descontraídos e relaxados. Segundos os praticantes, uma posição confortável é deitados lado a lado (a mulher fica de costas para o parceiro).

Sexo anal, ao contrário do que muitos imaginam, não provoca hemorróidas. Entretanto, o sexo anal agravará o quadro se for praticado no período de inflamação, além de causar muita dor. Hemorróidas são tecidos que contêm veias e que estão localizados nas paredes do reto e do ânus. Podem inflamar e desenvolver um coágulo sanguíneo (trombo), sangrar ou tornar-se dilatadas e protuberantes. Mais de 80% da população convive com elas, mas, por medo ou vergonha, poucas pessoas procuram ajuda médica.

Muitas pessoas têm medo de que se o sexo anal  se tornar frequente, terão um  afrouxamento do ânus e consequente incontinência fecal. Mas Isso é raro nessa prática sexual. O ânus tem dois esfíncteres musculares em forma de anel que funcionam de forma independente. O esfíncter externo é voluntário (você tem controle dele), já o interno é involuntário. No primeiro, o controle é similar ao dos músculos da mão, isto é, você contrai e relaxa quando quiser. O outro esfíncter é controlado pela parte autônoma do sistema nervoso central, como os músculos do coração. Ele reflete e responde ao medo e à ansiedade durante o sexo anal.

O último ponto, mas não o de menor importância: não,  o homem que gosta de ser acariciado no ânus não é  homossexual. Os gays gostam não é simplesmente de  sexo anal, mas de sexo  com  homens. Não existe essa de carícia de gay e carícia de hetero. Se fosse assim beijos e abraços pertenceriam a qual grupo? O fato é que as sensações ao toque são as mesmas, só depende da sensibilidade de cada um. Lembre-se de que o que faz de um homem ou mulher homossexual é a atração por pessoas do mesmo sexo.  O tipo de carinho ou carícia é  decorrência.

Então, cuidem-se, divirtam-se!